tristeza

Sentir tristeza é algo muito ruim, mas é praticamente inevitável que em algum momento ela aconteça na vida. A tristeza também tem seu lado bom, nos amadurece e testa nossa perseverança diante dos obstáculos da vida. Quando a tristeza se torna doentia e quando passa a fazer parte do dia a dia, então é preocupante e devemos buscar meios de combatê-la. Quem já teve depressão sabe o quão difícil é lutar contra as tristezas. Em uma época da minha vida a tristeza era assim, fazia parte da minha vida e eu achava que nada estava bem e nada iria dar certo. Havia também um pouco de imaturidade e não só imaturidade como ser humano, mas a imaturidade emocional, dos sentimentos mesmo, de lidar com eles. Hoje não está tudo a mil maravilhas, mas percebo mais claramente a cada dia que a felicidade é um estado e é impossível estar feliz o tempo todo. A vida tem frustrações e conviver e buscar a resolução é a principal arma contra a tristeza. Se ontem eu estava triste, hoje eu posso estar feliz.

Padre Paulo Ricardo, em seu curso de Terapia das Doenças Espirituais, coloca alguns remédios para combater a tristeza. O interessante é que o primeiro dele é chorar. Nem sempre é preciso derramar lágrimas de fato, mas é preciso pôr essa tristeza para fora, conversar com um amigo desabafar, chutá-la, mandá-la para bem longe. O outro remédio é a gratidão. Sermos agradecidos pela oportunidade da vida e transformar a tristeza num momento de ajudar o próximo, de fazer algo ativamente, mudar a situação da tristeza para algo que construa e dê frutos.

Ter inveja é um grande veneno que causa tristeza. A inveja como doença espiritual surge, segundo Padre Paulo Ricardo, quando lançamos sempre a pergunta “por que eu?” Quando direcionamos nosso olhar para o outro e percebemos que ele está melhor do que nós, neste momento a tristeza impera. É preciso olhar o outro lado. Se há pessoas melhores que nós, há pessoas em situações muito piores. Por isso olhar para si é um grande remédio para combater a tristeza e devemos olhar o outro apenas junto ao remédio colocado acima, a gratidão. Grato por conviver, viver juntos e crescer.

Por incrível que pareça a leitura é um ótimo remédio para a tristeza. Leituras boas e edificantes que nos tragam conhecimento e nos levem a um contato com uma voz que nos preenche e nos faz ter contato com o principal remédio contra a tristeza: a presença de Deus. Devemos embeber-nos do Espírito Santo e nos colocar na presença de Deus e assim também acabar com nossas culpas, nossos ressentimentos, nos perdoar.

Nesta pequena reflexão, busquemos na tristeza a chance de crescer. Olhemos de cabeça erguida e vejamos que se a vida é difícil, ela é, sobretudo, possível e bonita. É na nossa vida diária em contato com os nossos semelhantes, com os seres que nos circundam e fazem parte dos nossos laços sociais que encontramos os principais remédios para a tristeza.

Anúncios