Tanto no Brasil quanto no mundo, a criação de leis acontece fortemente. A cada dia são novas leis que passam pela aprovação das esferas legislativas e seguem para a sanção do Executivo. O homem cria suas leis para o bem-estar em sociedade. Porém, é inegável que essa necessidade da “Legislação da Terra” só acontece porque nos afastamos da Lei Maior, que pode ser chamada de Lei Natural ou Lei Divina.

Falta ainda ao homem a Educação, mas não a educação escolar e bancária, e sim a educação dos sentimentos, a educação que busca sua formação como ser pensante de fato e que propague o bem. Só há o Estatuto do Idoso, porque há pessoas que desrespeitam os idosos, fato que nem deveria ser questionado ou existir. O respeito ao idoso deveria ser prática comum. Só existe o Estatuto da Criança e do Adolescente porque também são desrespeitados e não têm seus direitos garantidos pelo Estado.

Quando vamos parar de criar leis e colocarmos a Lei Maior dentro de nós? Fico muito triste, pois é muita crueldade no mundo todo. Às vezes dá uma sensação de vazio, de incapacidade, pois somos muito pequenos diante de uma conjuntura instaurada do Mal. Visto que ele, o mal, é a ausência do bem, é preciso começar a colocar o bem em nossas vidas a cada dia, um pouquinho que seja. Ontem, fomos a um restaurante de comida japonesa e estávamos sentados à mesa, quando entrou uma mulher com uma muleta e que não conseguiria acessar o andar de cima, onde havia mais mesas disponíveis. A gerente, que por sinal, é extremamente educada e solícita, sempre preocupada com a satisfação de seus clientes, nos perguntou, com toda gentileza, se poderíamos, por acaso, passar para a outra mesa para que pudessem juntar duas das que ali estavam, já que o grupo no qual estava a mulher com muleta eram quatro pessoas e na minha só duas. Aceitamos de imediato. Ela ficou tão satisfeita e nos agradeceu diversas vezes e ainda disse que ainda há pessoas que se dispõem a ajudar o próximo. Não vejo outra alternativa numa situação dessas. O que fará diferença sentar numa mesa ou outra? O homem busca pequenas coisas para se preocupar e esquece das grandes. Empina o nariz na vaidade, inflama o ego e se coloca na vida com o peito estufado de empáfia como fosse um pavão com sua pompa e suas penas “maravilhosas” abertas.

É preciso preocupar-se com as grandes coisas. Encher-se de coisas grandes. Da Lei Maior. Assim, quando a Lei Maior preponderar no nosso Mundo Terreno, essas leis menores nem farão sentido, pois o respeito, a fraternidade, a união dos povos serão tamanhos que os Direitos e Limites de cada um serão automaticamente praticados e garantidos. Temos tantas leis na Legislação da Terra, mas precisamos de só uma: a Lei Maior.

Anúncios