Não há como falar em Literatura sem falar nos demais sistemas representativos que não são a arte literária encerrada em si mesma, mas que exercem complementação a ela e utilizam-se de seus recursos e se definem como outros sistemas representativos (ou semióticos).

book-1421097_960_720

A Semiótica é a ciência que estuda o signo no seio da vida social. Estuda os processos de significação e representação. A Literatura é um desses sistemas. O cinema outro, a música, a pintura etc…

A arte literária em diálogo com os diversos sistemas de representação apresenta suas nuances e divide opiniões. A Literatura como arte da palavra está em tudo em que haja o jogo da linguagem verbal ou não-verbal. A música representa uma forma de narrar, embebecida na sonoridade ou melodia. O cinema representa outra forma de narrar, embebecido no gestual, no visual e na fotografia. A pintura também trabalha com o visual, mas de forma mais estática, assim como a fotografia tendendo para um jogo maior de luzes e sombras, cores e contrastes. Cada qual com sua particularidade e modo de significar a realidade ou a surrealidade, os mecanismos literários exercem seus percursos na construção da significação. Dessa forma, a mimese (que é a representação da realidade), a catarse (a fuga da realidade), a função político-social, a estética (na necessidade de expressar o belo, os conceitos da estética entre beleza, unicidade, estranheza) estão em todos os sistemas representativos.

Perceber-se um apreciador da Literatura e de todos os sistemas semióticos leva tempo e necessidade de despertar para uma crítica um pouco mais acentuada, sempre olhando de viés, não julgado uma obra ou um objeto artístico na ótica do bom ou ruim, do certo ou errado, mas na ótica do “como”, qual o percurso que leva determinado objeto para “dizer” ou expressar do modo que diz, que constrói representações. A arte como um todo é a conjunção, a universalidade de todos os sistemas semióticos, pois abarca todos os tipos de expressão: pintura, música, teatro, dramaturgia, escultura, instalações artísticas (como exposições com seres humanos, vídeos, objetos que significam e representam num dado espaço social, como um museu, uma rodoviária, um clube etc.). Para compreender as formas de significação é preciso revestir-se da arte, que mesmo sendo essa universalidade dita acima, dialoga com outras áreas como a filosofia, a psicologia, a sociologia e por que não as áreas de ciências exatas e biológicas, como a matemática no planejamento dos quadros arquitetônicos, ângulos, linhas e retas de uma dada obra e por exemplo a anatomia dos corpos que se quer expressar ou então a botânica de uma planta, ou a zoologia de um animal.

Nosso objetivo, portanto, é mostrar que a Literatura trabalhando com a expressão sobretudo, apresenta nuances que se marcam num movimento de diálogo e interseção entre os diversos sistemas representativos. Entretanto, todos eles possuem um funcionamento similar escamoteando e explorando os recursos expressivos da arte literária em si. Todos trabalham com o efêmero e a brevidade da vida do homem, pois todos nós morremos e precisamos deixar nossas marcas que se registram por meio das impressões literárias. Quando o homem se representa ele coloca em assunção aquilo que Ariano Suassuana diz sobre a Literatura que ela “é a expressão da imortalidade!”

typewriter-1218077_960_720

Anúncios