christmas-balls-in-snow-isolated

Fim de ano chegando e com isso surgem os planejamentos para o ano vindouro. Nesta de planejar o que farei em 2016, fiquei pensando que tenho uma característica de não me apegar a projetos permanentes. Começo um novo projeto a cada dia. Além do blog o que está em voga agora é o meu canal do YouTube – Intertexto: Português, Literatura e Redação.

A vida é um fluxo e tudo muda. Não podemos nos apegar a projetos permanentes, pois pode ser que um dia eles se acabem e a gente se frustra. A vida é eterna e nada é permanente. Mas também não se pode deixar as coisas desatadas: começam e não terminam. Hoje começo um projeto, amanhã já não o quero mais e o abandono. Não! É preciso também dar continuidade àquilo que se começa. Mas quando algo não está legal é hora de partir para outra, para um novo projeto.

É preciso também se fixar em algumas coisas pelo menos por um tempo. Por exemplo, começo um emprego novo hoje e amanhã já estou pensando em algo melhor. Não! Calma! Curta um pouco! Faça vínculos neste emprego para só depois começar a pensar em algo melhor… Comigo funciona na síndrome dos dois ou três anos. Quando começa a fazer 3 anos que se está no mesmo emprego, talvez é hora de planejar algo porque já se tem vínculos ali formados.

Projetar é sempre bom. Deixar acontecer também. O equilíbrio é que concretiza nossos sonhos e desejos. Nem muito metódico, nem muito a Deus dará. É preciso ter em mente os objetivos e correr atrás deles, lembrando que nenhum projeto é permanente, porque nem mesmo a vida física é. Por isso, não faça projetos permanentes.