Não vou dedicar este texto nominalmente a ninguém, pois correria o risco de esquecer algum dos importantes amigos que tenho. Mas todos eles, os verdadeiros amigos, sintam-se abraçados neste texto.

amizade

Já falei em outras ocasiões sobre a amizade, mas por que falar mais uma vez? Simplesmente, porque sempre é preciso falar da amizade. Amor sem amizade existe (o que não deveria acontecer), mas amizade sem amor, não. É uma forma sublime de amar. Amor desinteressado, fraterno, não material, espiritual.

Tenho tido experiências agradáveis e oportunidades de conhecer os amigos. Aqueles que em meus desesperos e falatórios desnecessários, deixam-me pensar, deixam a poeira abaixar, e não colocam nossa amizade a perder, por um simples relapso, ou porque na veia da sinceridade feri com sangue a alma do outro. Disseram-me, ilustrando um conto, que os defeitos e os momentos ruins de uma amizade são escritos na areia, mas as qualidades e os momentos bons são gravados na rocha que nem o tempo consegue apagar.

Amizade borbulha em nossa alma, quando gostamos de outra pessoa e a amamos tanto que ela passa a fazer parte de nossa família, mesmo não compartilhando o mesmo lar conosco, mas compartilha-se o lar do coração.

Como definir o que é um amigo? Há níveis de amizade? Nas nossas situações do dia a dia, vamos conhecendo pessoas e nos relacionando com parceiros que se tornam parte da nossa vida e com quem desenvolvemos afinidades, pessoas com as quais gostamos de conviver. Em um certo tempo, as pessoas mudam de lugar, ou de trabalho, ou vão desenvolver outras atividades e perde-se o contato. Como dizia Mário Quintana, “muitos passarão”… Se há a verdadeira amizade, nem que seja um dia, o amigo retorna como o passarinho de Quintana…

Jesus nos falava da importância de olharmos e orarmos mais pelos nossos inimigos do que pelos nosso amigos. Quando Jesus disse isso, ele não estava excluindo a necessidade de orarmos e pedirmos as bençãos de Deus para nossos amigos, mas que nossos amigos estão presente o tempo todo e próximos, bem próximos de nós, que nos conhecem como a palma da mão… Já os inimigos… Estes estão distantes, não nos conhecem e muitas vezes as inimizades surgem, de repente, sem até que queiramos. Por isso é preciso estar sempre tentando amigar-se e ser mais fraterno, pedindo a Deus que inimizades sejam afastadas, pois a amizade é construção, enquanto a inimizade é guerra e destruição.

Repito que é sempre preciso falar da amizade, da convivência, da troca, da fraternidade e irmandade que devia pairar em todos buscando um mundo mais justo e solidário. É preciso falar da amizade, para que não nos esqueçamos de que o amigo – “que está do lado esquerdo do peito” – nos faz sermos pessoas melhores e nos dão a mão e nos levantam quando caímos. Ele nos ajuda a percorrer uma trilha cheia de espinhos, lamaçais, pedras e dificuldades, que é a vida, mas no qual, ao final, nos aguarda um arco-íris colorido sobre um lago resplandecente de paz e quietude que é a eternidade da vida espiritual, para a qual iremos levar nossos amigos de mãos dadas!

Anúncios