urna-eletronica

Aproximam-se as eleições de 2014. Aproxima-se também o fim do horário eleitoral gratuito na televisão e no rádio, para a alegria de muitos. Mas por que a propaganda eleitoral é tão odiada assim pelos brasileiros? O horário eleitoral é útil para o eleitor?

A utilidade de tal mecanismo da democracia é inegável. A funcionalidade, entretanto, pode ser questionada. Se cumpre ou não a função, somente pesquisas sérias e estudos idôneos podem mostrar.

Outro ponto importante é a formação crítica do eleitor que precisa saber aproveitar o programa. É o meio mais fácil que se tem de conhecer os candidatos e as propostas de cada um. O sinal de televisão e de rádio é gratuito no Brasil e a maior parte da população tem acesso a esses meios. Fora isso, a TV trabalha com a imagem e o som, e o rádio com a voz. Escutar e ver os candidatos pode fazer com que se conheça a personalidade e os aspectos psicológicos de cada um.

O que pode ser questionado é a funcionalidade da propaganda eleitoral e o seu formato. A disputa por tempo acirra as lutas entre partidos, o que deveria ser mais igualitário, um tempo equivalente para todos os candidatos, mas aí o horário extrapolaria o período de 50 minutos previsto. É preciso uma reformulação na estrutura e no modo de apresentação de cada candidato num momento em que a comunicação social e a oratória já evoluíram muito. Muitas vezes o que se tem são informações muito superficiais que servem apenas para ter uma leve ideia sobre as propostas dos candidatos. Deveria ser ampliado para durante as programações de cada emissora com vários horários e várias entradas expandido e aprofundando o debate das questões de propostas de governo.

Paralelo a isso, é imprescindível que haja uma formação política e social do povo brasileiro que muitas vezes não dá valor à propaganda eleitoral, acham enfadonho, e sequer refletem bem antes de apertar a tecla “confirma” para o candidato que escolheu. As pessoas se influenciam muito pelo que os outros falam. Quem realmente tem interesse em conhecer os candidatos deve pesquisar diversos meios e se informar por completo e não só pelo horário eleitoral gratuito.

Danilo Vizibeli

Jornalista, professor e Mestre em Linguística.

Texto escrito com colaboração dos alunos do Cursinho Pré-Vestibular Comunitário Núcleo Dércio Andrade – em escrita coletiva.