Quando foi anunciado que a Renata Ceribelli fez uma entrevista com Anderson Silva em Nova York e que seria exibida no último domingo no Fantástico, uma ponta de esperança despertou em meu coração. Pensei que ele poderia dizer que iria parar de lutar, que reconhecia seus erros e que engajaria em outros projetos. Pura frustração a minha!

Só para relembrar, Anderson teve a perna tragicamente quebrada numa luta (que seria de Revanche) com Chris Weidman. Bem, não entendo de cinturões de MMA e acho isso tudo uma bobagem. É de se admirar como os valores humanos estão invertidos. Tanto se gasta com tais lutas, quando muitas pessoas passam fome e não têm o básico para viver.

Na luta anterior com o mesmo Weidman, Anderson perdeu feio e saiu nocauteado, depois de fazer suas gracinhas, ou melhor, deboches na cara do adversário.

E depois teve essa fatídica luta. Bom, aí pensei: agora ele para e admite seus erros e sua arrogância. Que nada! Disse que Weidman agiu apenas por instinto e que iria voltar, ou melhor, quer voltar a lutar.

Fonte da Foto: www.dailymail.co.uk
Fonte da Foto: http://www.dailymail.co.uk

Isso mostra a fragilidade e o orgulho humanos. Ele não consegue perder e mesmo molestando seu corpo quer prosseguir. Ele é para mim um símbolo do mal. Um símbolo da vingança desmedida e de uma luta que não constrói nem produz nada de bom para a sociedade.

Difícil entender o ser humano que precisa de disputas para viver. Quando a disputa, a concorrência é saudável, vai lá, mas uma disputa que acaba consigo mesmo me mostra um ícone da fragilidade e do orgulho humanos.

Reconstrua-se Anderson! Abrace sua família que é linda! Torço, sinceramente, para que os médicos venham a dizer que você não poderá lutar mais, que seu corpo não aguenta e que ainda salve-se o Anderson, recupere-se o humano, quebre-se o orgulho e fortaleça-se em causas mais nobres.

Danilo Vizibeli